Markets

Where are the Brazilian unicorns?

For the second time I came across the Wall Street Journal list of worldwide startups evaluated $1 billion or more. And for the second time I was disappointed – Brazil is not in the list.

See the list below (NOTE: I’m writing this article on April 21, 2014, so don’t be surprised if one or the other company joins or leaves the list):

Unicorns

Unicorns

Another important remark: search engines were not popular and Google itself had just been created. Perhaps some of you recall the newsstands with magazines showing Internet maps, with names and addresses of relevant sites!

Before we address the issue of why there is no Brazilian company in the list (neither South American, nor Latin American!) let’s look at the data in more detail.

Of the 46 startups, 36 are in the US, 7 in China and 3 in Europa. In other words 78% of the startups over US$ 1 billion are located in the US, 15% in China and 7% in Europe.

The total valuation sum of the startups in the list is US$ 129 billion, with 72% of that figure with the American companies, 20% with Chinese and 8% with European companies. The average startup valuation in the US is US$ 2.59 billion; in China US$ 3.64 billion, and in Europe US$ 3.47 billion.

Of the total funding of US$ 17.8 billion that the startups of the list received, on average, North American startups received US$ 355 million in 5.4 investment rounds. An amount similar to that in Europe (US$ 352 million), with the difference that in that region they are distributed in 7.7 rounds on average. In China, the average investment is US$ 570 million in less rounds, 3.8 on average.

Most of the companies were founded in the last decade, with an average startups age in the US of seven years, 10 years in China and 8 in Europe.

Classifying the companies by type, we reach some interesting conclusions:

  • E-Commerce is still sexy in China and in Europe but presently attracts few entrepreneurs and investors in the US. In China, 48% of the valuation is dispersed in 42% of e-commerce startups. In the US 7.3% in almost 14% of e-commerce startups.
  • Hardware is abundant in China: 39% of the total valuation is located in 14% of the startups producing hardware. In the US the proportion is almost 1:1 (around 16% for each criterion).
  • Neither Europe nor China have any relevant player acting on marketplaces but in the US the sector is extremely attractive with 23.5% of the total valuation in less than 14% of startups.
  • Software is also popular in the US, with 41% of the total valuation as compared to China, with less than 4%.

Important remark: there are regions that remain under the radar until negotiations are completed, with amounts that sometimes exceed billions of dollars. That is the ever more frequent case of Israel – Waze bought by Facebook for US$ 1 billion is a recent case.

Unfortunately, being under the radar is not the case of Brazil. In fact, we don’t have a single unicorn. We have some players progressing to that mark, such as Hotel Urbano, Dafiti and Netshoes. But this is little, very little for a country that has the fifth largest Internet population and the seventh highest GDP in the world.

The great Latin American case is ‘Mercado Libre’, originally an Argentine company, which consolidated the auction market in Latin America and made an IPO on Nasdaq. During the same period of consolidation of Mercado Libre, we had the success path of Buscapé, perhaps Brazil’s greatest case. I’m very proud to have taken part in that story, but deeply regret that dozens of other Buscapés have not appeared since then. Buscapé was sold in 2009 for about US$ 340 million and Mercado Libre today has a market value of around US$ 4 billion…

But after all, which are the reasons for Brazil not having not asingle unicorn? I have some hypotheses, which I construed during my 14 years in this market.

The Brazilian entrepreneur wants to make his nest egg fast. We grow with a lot of uncertainty and don’t stand a purchase offer when it could mean to have a relevant financial mattress. I’m sure that if Facebook had been created in Brazil, Zuckerberg would have sold it the first time somebody offered him a US$50 million check.

To really innovate requires assuming risks. And to assume risks requires big investments or of long-term return. The Brazilian investor already has a very unfavorable environment by itself and does not support additional risk. If risk was to be measured in a numerical scale, and the investor typically supports, let’s say, a risk of 10. Our economy is already responsible for 5, and then the other 5 are insufficient for really innovative sectors that would bring more beneficial fruits for the country.

If on one hand the macroeconomic environment already represents a high risk, the government still competes with the startups by offering high return with low risk (through treasury debt bonds).

Brazil have an incipient venture capital industry. We had hype from 2010 until 2012 but normally we have only half a dozen of active funds in the country. The unbalance between demand and supply makes the balance heavier for the investor, who can squeeze the entrepreneur most of the times. I already saw many contracts in which the investor has a drag-along on the founders, and when the time to divest (when the fund has to be closed to payback its shareholders), investors sells the company and carries the founders with him. Since the divesting period is not necessarily the optimal point for the company, the future of the business may be aborted before its heyday.

Startups require several rounds of investments during their life. Each round has a right size and investor. It’s what we call stage financing. In Brazil, we have very few angel investors, the type of investors who finance the first phase of the startups, when the business is beginning to take off.

In the US, a great number of entrepreneurs and former entrepreneurs become angel investors – people who made money building companies and now support other entrepreneurs. Here, since we have few success cases, there are few successful entrepreneurs and ex-entrepreneurs that could become angels.

In the US, there is a whole culture of value distribution between startup employees, who receive stock options. As the startups pick up value, many people benefit from it. These benefited employees, vested with resources, are able to set up their own startups and/or become angel investors for third parties. Here in Brazil, employees normally don’t want stock options and values only the salary (perhaps for the rush to make his own nest egg as explained above…).

There is actually no real limited liability company in Brazil. If the company goes broke, there is an enormous risk for the passive to be charged from the entrepreneurs and investors. In serious countries things are well separated and the partners are only called to cover the company passives after fraud is proven. This additional risk scares away entrepreneurs and investors.

The Brazilian fiscal framework is a big hindrance. In addition to the fact of having many taxes (without appropriate compensation, by the way), the system is extremely complex. We have dozens of taxes and obligations to fiscalize our suppliers (when we collect taxes). It is all something unthinkable for startups in the US. The ‘Simples’ regime would be interesting, but it doesn’t function for startups because investors usually are institutions – and it’s forbidden for companies to have institutional partners if they choose the Simples regime.

Labor burdens also fit in the framework described above. In addition of employees receiving 13.3 annual salaries, startups still have other heavy labor burdens on top of that from the tax legislation (CLT). Again such a tax burden is unthinkable in the US.

The Brazilian University is detached from the market. We have great researchers and a vast academic production. We could ask ourselves if the number of scientific works means quality of the works and my opinion is no – having in view that we have no single Nobel prize yet. Regardless of the discussion over quality, the truth is that few businesses come from the universities when compared to the US, for instance. In the US exists the so-called spin-off, that is, companies that were created inside of the universities, often with teachers in the partnership (and sometimes with the university itself), as was the case of Google, just to mention an example. Here, spin-off is treated as taboo in the academia.

To raise unicorns, Brazil need to improve the ecosystem as a whole and for that we would need a change on all stakeholders’ mindsets: Entrepreneurs, Investors, Big Companies, University and Government. Unfortunately, I believe the chances of doing that are too low…

Advertisements
Standard
Mercados, Sites

Porque o Brasil não produz startups de 1 bilhão de dólares?

Pela segunda vez me deparei com a lista do Wall Street Journal das startups mundiais avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares. E pela segunda vez fiquei decepcionado – o Brasil não consta na lista.

Aqui segue a lista (OBS: escrevo esse artigo em 21/4/2014, então não se espante se alguma entrar e/ou outra sair da lista):

Imagem
Antes de endereçar a questão do porquê não tem nenhuma empresa brasileira na lista (nem sul americana, nem latino-americana!) vamos olhar os dados mais no detalhe.

Das 46 startups, 36 ficam nos EUA, 7 na China e 3 na Europa. Isto é 78% das startups de mais de US$ 1 bilhão ficam nos EUA, 15% na China e 7% na Europa.

A soma dos valuations das startups da lista é de US$ 129 bilhões, com 72% disso com as norte-americanas, 20% com as chinesas e 8% com as europeias. O valuation médio das startups nos EUA é de US$ 2,59 bilhões; na China é de US$ 3,64 bilhões e na Europa de US$ 3,47 bilhões.

Do total de US$ 17,8 bilhões de funding que todas as startups da lista receberam, na média, startups norte-americanas recebem US$ 355 milhões em 5,4 rodadas de investimento. Montante parecido com a Europa, (US$ 352 milhões) só que, nessa região são distribuídos em 7,7 rodadas em média. Já na China o investimento médio é de US$ 570 milhões em menos rodadas, 3,8 em média.

A maioria das empresas foram fundadas na década passada, sendo que nos EUA a idade média das startups é de 7 anos, 10 anos na China e 8 na Europa.

Classificando as empresas por tipo, chegamos a algumas conclusões interessantes:

E-Commerce ainda é sexy na China e na Europa mas atrai atualmente poucos empreendedores e investidores nos EUA. Na China 48% do valuation está distribuído em 42% das startups de e-commerce. Nos EUA, 7,3% em quase 14% das startups de e-commerce.

Hardware é na China: 39% do valuation total está em 14% das startups que produzem hardware. Nos EUA a relação é quase 1:1 (na casa dos 16% para cada critério).

Nem Europa nem China tem algum player relevante atuando em marketplaces mas nos EUA o setor é extremamente atraente com 23,5% do valuation total em menos de 14% das startups.

Software também está em voga nos EUA, com 41% do valuation total. Na China é menos de 4%.

Observação importante, há regiões que ficam under the radar até que negociações são realizadas, com valores que por vezes superam bilhões de dólares. É o caso cada vez mais comum de Israel – Whatsapp comprado pelo Facebook por US$ 19 bilhões é um caso recente.

Infelizmente, estar under the radar não é o caso do Brasil. De fato, não possuímos nenhuma empresa cujo valor de mercado seja 1 bilhão de dólares ou mais. Temos alguns players caminhando para isso, como o Hotel Urbano, Dafiti e Netshoes. Mas isso é pouco, muito pouco para um país que detém a 5 maior população de internautas do mundo e o 7o maior PIB mundial.

O grande case latino americano é o Mercado Livre, uma empresa originalmente argentina, que consolidou o mercado de leilões na América Latina e fez um IPO nas Nasdaq. Durante o mesmo período da consolidação do Mercado Livre, tivemos a trajetória do Buscapé, talvez o nosso maior case. Tenho muito orgulho de ter participado dessa história, mas lamento profundamente que não tenham surgido dezenas de outros Buscapés de lá para cá. O Buscapé foi vendido em 2009 por cerca de US$ 340 milhões de dólares e o Mercado Livre hoje tem valor de mercado de US$ 4 bilhões…

Mas afinal, quais são os motivos para que o Brasil não tenha nenhuma empresa nessa lista de startups bilionárias? Eu tenho algumas hipóteses, que construí através dos meus quase 14 anos nesse mercado.

O empreendedor brasileiro tem pressa para fazer seu pé-de-meia. Crescemos com muita incerteza e não resistimos a uma oferta de compra quando ela pode significar um colchão financeiro relevante. Garanto que se o Facebook fosse feito no Brasil, o Zuckerberg o teria vendido na primeira vez que o oferecessem um cheque de US$50 milhões.

Para se inovar de fato, é preciso arriscar. E para arriscar é necessário investimento alto ou com retorno longo e incerto. O investidor no Brasil tem um ambiente muito inóspito por si só e não suporta mais risco. É como se risco fosse uma escala numérica, e o investidor tipicamente aguenta, digamos, risco 10. Nossa economia já responde por 5, então os outros 5 são insuficientes para setores realmente inovadores e que dariam mais frutos benéficos para o país.

Se por uma lado o ambiente macroeconômico representa um risco elevado, o governo ainda compete com as startups pois oferece retorno alto com pouco risco (via títulos da dívida).

Temos uma indústria de venture capital nascente. Tivemos uma euforia de 2010 até 2012 mas normalmente temos apenas meia dúzia de fundos ativos no país. O desequilíbrio entre demanda por investimento e oferta faz com que a balança pese para o lado do investidor, que consegue negociar condições muitas vezes leoninas com os empreendedores. Já vi muitos contratos no qual o investidor tem drag-along sobre o empreendedor, e quando chega a hora de desinvestimento do fundo (quando tem que fechar o fundo e remunerar seus cotistas), vende a empresa e carrega o empreendedor junto. Como esse período de desinvestimento não necessariamente é o ponto ótimo para o empreendedor, o futuro do negócio pode ser abortado antes do seu ápice.

As startups precisam de diversas rodadas de investimentos durante sua vida. Cada rodada tem um tamanho e um investidor certos. É o que se chama de stage financing. No Brasil, temos pouquíssimos investidores anjo, o tipo de investidor que financia a primeira etapa das startups, aquela em que o negócio começa a rodar.

Nos EUA, a grande parte dos investidores anjo é composta por empreendedores e ex-empreendedores. Gente que fez dinheiro construindo empresas e que agora apoia outros empreendedores. Aqui, como há poucos casos de sucesso, há poucos empreendedores e ex-empreendedores de sucesso que poderiam virar anjos.

Nos EUA, há toda a cultura de se distribuir valor entre os funcionários das startups, que recebem stock options. Com a startup se valorizando, muitos se beneficiam. Estes funcionários beneficiados passam a ter recursos para abrirem suas próprias startups e/ou serem investidores-anjo de terceiros. Aqui no Brasil, normalmente o funcionário não quer stock option e valoriza apenas o salário (talvez pela pressa de fazer o pé-de-meia como explicado acima…).

Não existe empresa limitada de fato no Brasil. Se a empresa falir, há enorme risco dos passivos serem cobrados dos empreendedores e dos investidores. Nos países sérios as coisas são bem separadas e os sócios só são chamados a cobrirem os passivos das empresas quando há fraude comprovada. Esse risco adicional afugenta empreendedores e investidores.

O arcabouço tributário brasileiro é um grande entrave. Fora o fato de termos muitos impostos (sem contrapartida adequada, diga-se de passagem), o sistema é super complexo. Temos dezenas de impostos e obrigações de fiscalizar nossos fornecedores (quando recolhemos seus impostos). É tudo algo impensável para as startups dos EUA. O regime Simples seria interessante, no entanto não funciona para startups pois os investidores, via de regra, são institucionais – e é proibido para empresas que escolhem o Simples terem sócios institucionais.

Os encargos trabalhistas se enquadram no arcabouço descrito acima. Fora os funcionários receberem 13,3 salários anuais, as startups ainda tem pesados encargos CLT em cima. Novamente, essa carga tributária é impensável nos EUA.

A universidade brasileira é descolada do mercado. Temos grandes pesquisadores e uma produção acadêmica grande. Podemos nos perguntar se a quantidade de trabalhos científicos significa qualidade dos trabalhos e minha opinião é que não – haja vista não termos nenhum Nobel até hoje. Independente da discussão da qualidade, a verdade é que poucos negócios saem das universidades, se compararmos com os EUA, por exemplo. La há o que é chamado de spin-off, isto é,empresas que são formadas dentro das universidades, muitas vezes com professores na sociedade (algumas vezes com a própria faculdade), como foi o caso do Google, só para citar um exemplo. Aqui, spin-off é tratado como um tabu na academia.

Como falei, essas são minha hipóteses. Sei que há exceções e sei que as hipóteses podem ou não serem comprovadas. Por isso acredito que é muito importante para o país que estudemos a fundo nosso mercado. Só assim poderemos entender quais as reais causas do nosso insucesso e como poderemos incentivar o empreendedorismo de alto-impacto, que é um dos maiores geradores de renda. Estudos apontam que cada trabalhador de startup gera 5 empregos diretos e indiretos nos EUA, apenas para dar uma ideia de como essa riqueza se espalha por toda a economia.

Justamente diagnosticar nosso mercado e propor melhorias foram meus motivadores a participar do programa REAP (Regional Entrepreunership Acceleration Program) ministrado pelo MIT. Integro um time heterogêneo, com representante de diversos setores como Academia (Alex Lucena – PUC/Rio), Corporações (Felipe Herrera – Miguel Neto e Herrera Advogados), Investidores (Antonio Botelho – Gávea Angels e Guilherme Cohn – Confrapar), Governo (Augusto Raupp – Secretaria de Ciência de Tecnologia do Estado do Rio), empreendedor (eu, Gustavo Guida Reis – HelpSaude.com, Bondfaro/ Buscapé). Selecionamos o estado do Rio como piloto e, durante os 2 anos do programa, traremos soluções para aprimorarmos o empreendedorismo tecnológico da região, que depois tem tudo para serem aplicadas nas demais regiões do Brasil.

Ainda buscamos patrocinadores para viabilizarmos nossa participação no programa. É um trabalho pro-bono, onde os integrantes não são remunerados, mas precisamos pagar o MIT e cobrir custos de transporte para os workshops. Quem quiser colaborar, por favor entre em contato.

 

[UPDATE / ERRATA]

O Alan Meira me alertou e que usei o exemplo equivocada do startup israelense. A Whatsapp é americana e seu fundador Ucraniano. De qualquer modo, o racional que Israel está sendo bem sucedido e procede.

Standard